quarta-feira, maio 27, 2015

Ainda pulsa...


  
                                               

O paradoxo do amor...

Diante das incógnitas...

Diante do obscuro...

Perante as lamurias dos vícios...

Subitamente escorre entre os luxuriosos pensamentos...

Pecados virtuosos dos sábios sussurros....

Doçura açucarada em lágrimas derramadas....

A tristeza embriaga a alma...


Da razão perdida pelo amor instalado...

Dos enigmas não desvendados...

Da destreza contemplada....

Do vinho as águas destemperadas....

Das gotas marcadas na face cansada...

O sentido das complexidades mal interpretadas...

Dos rumos, caminhos,estradas sem chão a cada passada...

Esgotada apenas pela madrugada....

Absorvida por tamanha emoção...

No fim de cada gota derramada...

Recebe a dor como gratidão...

Mas o amor esse segue pulsante, vivo, permanente  em alma.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diga se gostou, aguardo os comentários obrigada !!!