sexta-feira, maio 17, 2013

Aeroporto....




                                                    Artista: Maurizio Barraco


Depois de meses sem se ver ,Girassol vai ao aeroporto buscar Rosa..
No saguão do aeroporto enfim o abraço apertado ,à vontade de se tornarem uma só ...
Foram para o estacionamento e já dentro do carro...
Rosa aproximou os lábios do ouvido de Girassol...
A situação era embaraçosa...
Girassol sentia o calor daquela coxa, grudada à dela , o hálito perfumado batendo em sua orelha, a voz penetrando -a...
A boca tremula se apertou contra a de Girassol,roçando a língua num desespero do beijo sonhado...
Afagando  Girassol com suas mãos macias e perfumadas..
Beijando – lhe  a boca , sôfrega, como se tivesse beijando sempre...
Mas nunca saciada de repetir o mesmo beijo furioso...
Girassol sentia todo o calor do corpo em suas mãos maldosas,atrevidas , sem rumo,levadas apenas pelo impulso...
Girassol  subia as mãos  lentamente,com esforço,a caminho dos seios...
Tomando-os com cuidado, depois da caricia que lhe provocara desejo , mexendo-os e recebendo os respiros e estremecimentos da Rosa...
Afastou a boca,beijou   novamente seu rosto,mordiscou seu queixo, gemeu algo desconexo de prazer , enfiando a língua na  boca...
As mãos de Girassol desceram , a boca encontrou os seios e ela gemeu o ruído do mais delicioso pecado....
Afastou se ,Rosa estava queimando de desejo...
Rosa puxou Girassol pela nuca para que o beijo fosse mais forte, dolorido, feroz....
Os beijos delas se tornavam mais ardentes, mordiscantes,quase sangrentos....
Girassol possuindo o corpo de Rosa , no pequeno espaço do carro,boca presa a dela..
Língua num ritmo descontrolado tentando se prender a da Rosa...
Puxando-a pelos cabelos, mãos enfiadas sob a blusa , agarrando  o firmemente o seio..
Outra metida dentro da calça , enfiando os dedos pela estreita caverna em brasa,pressionando com destreza e prática o coração pulsante intumescido....
Na exaltação , um susto....
Bateram em seu vidro do carro...
Largaram se apavoradas...
Olhando para fora...
Ao lado do carro uma criança arteira batia em sua porta.


quinta-feira, maio 16, 2013

A fã...




                                                         Artista: Maurizio Barraco

Era por volta das 15h quando o seu telefone toca a escritora atende ...
Era o pecado do outro lado da linha...
E logo o pedido : Poderias recitar um de seus contos ?
A escritora de imediato responde : Sem problemas...
E em alguns minutos depois estava a escritora profanando o ouvido da sua fã misteriosa...
Do outro lado da linha apenas murmúrios e sussurros desconexos...
Enquanto lia a fã entrava em transe...
Sentindo cada ponto ,virgula,sensação descrita pela escritora ...
A fã estava deitada na cama, deslizando as mãos lentamente pelas partes pudendas...
Um estreito canal de águas ferventes se formava entre suas coxas facilitando o deslizar de dedos entre elas...
O corpo em arrepio,delírio ...
Os olhos cheios de luxuria, a pele já rosada....
A boca úmida...
A face em chamas...
Nos ouvidos a luxuria toma vida ....
Sentiu o seio transbordar em suas mãos...
Uma umidade cujo horizonte a língua dela queria alcançar...
Passou a mão pela curva do seio esquerdo e depois o direito...
Levou os dedos a boca sentindo o gosto de seu néctar...
A transformação que se estampou em seu rosto mostrou lhe o caminho,de apenas não parar...
Deliciava se com as palavras ,como se fosse um manual fazendo com que a fã explorasse o céu da boca com a ponta da língua..
Deslizando às mãos pelo seu ventre em movimentos lentos e delicados...
Seguindo a direção do desejo, do prazer, da redenção de seus pecados...
Os seus dedos eram sugados aos poucos como por areias movediças...
Apesar de todo medo de ser pega...
O desejo pulsava cada vez mais vulcânico, como lavas flamejantes....
A sua alma transportada a outras dimensões pela voz que profanava a virgindade de seus ouvidos...
Seu corpo implorava , consumia , absorvia a fantasia de ser possuída como no conto...
Os dedos iam e vinham ganhando um ritmo frenético...
O delírio,o sofrimento, a ânsia , a paixão, o auge...
E afundas em águas profundas da paz, ofegante, tremula ...
A escritora já era muda diante de tamanha explosão ....
O silêncio é quebrado pelo tu tu tu do telefone .


quarta-feira, maio 15, 2013

O inverno delas...




                                                    Artista : Maurizio Barraco

O inverno invadiu a pequena cidade do amor...
As tardes eram frias e solitárias, a neve cobria cada centímetro da paisagem ...
Sabrina morava em um casebre de madeira no alto da montanha ,afastado do centro da cidade,ela possuía a visão perfeita do povoado de sua varanda...
Sabrina decidiu ir a cidade antes que a neve lhe cobrisse toda a estrada dificultando o acesso,durante o percurso avistou uma bela jovem caminhando pela estrada de silhueta perfeita,de olhos negros,com uma moldura que imitava a luz do sol ,as mechas lhe cobriam  os ombros , a pele alva se perdia a paisagem branca ao redor...
Sabrina diminuiu a velocidade do carro e perguntou se a jovem solitária gostaria de uma carona até a cidade...
Para seu espanto a jovem recusou...
Sabrina seguiu o seu caminho pensando na dama do sol, sua garganta fechou, o ar se tornou pesado,borboletas consumiam todo o espaço de sua barriga...
Sabrina então foi à loja de vinhos enquanto procurava sua marca favorita o sino da porta soa , seus sentidos em atenção se voltam à porta e logo se depara com a visão do seu desejo...
Sem perceber em seus lábios se formaram um sorriso em convite, a jovem lhe retribuiu...
O dono da loja avisa a Sabrina que só restava uma única garrafa em seu estoque e quando ela foi pegar a garrafa a jovem lhe diz: uma pena queria o mesmo vinho ,andei até aqui só por ele...
Sabrina de pronto imediato diz : podemos bebe ló juntas o que acha?
A jovem lhe sorriu e aceitando o convite...
Elas se apresentaram e logo marcaram o encontro..
O coração de Sabrina havia acelerado diante da espera ,inundando o seu corpo...
As horas eram cada vez mais lentas ao se aproximar o momento...
Sentada diante de sua lareira o silencio é quebrado por um toc toc a sua velha porta de madeira...
Sabrina se levantou e logo os seus olhos contemplaram a visão perfeito do sol em dias de verão...
Juliana entrou pela porta tremula de frio, e Sabrina mandou se sentar junto à lareira enquanto abria a garrafa de vinho...
Enquanto Sabrina lhe servia o vinho Juliana se postava diante da lareira, o calor do fogo tornou a face de Juliana ruborizada...
Sabrina se aproxima de Juliana com a mão estendida  lhe entregando a taça de vinho, se sentando ao lado dela...
O perfume de Juliana exalava pelo ar deixando Sabrina embriagada de desejo...
Sabrina vira rapidamente a taça num gole só....
Juliana apenas toca a ponta da língua saboreando o vinho lentamente...
Os olhos então tiveram o primeiro encontro do pecado , os corações acelerados,o desejo em face ardente...foi então que....
Juliana levantou os braços ,envolvendo a Sabrina pelo pescoço e se aproximou...
Ela mordiscou o lábio de Sabrina e se apertou contra ela...
Juliana fechou os olhos e sorriu , deixando os dedos deslizarem até as dunas firmes abaixo da cintura...
Os dedos dela percorreu toda a extensão do corpo macio, quente e tremulo de Sabrina...
Desenhando a trilha do pecado em cada milímetro de pele exposta...
Os corpos uniam e se desuniam diante da lareira que quebrava a escuridão do casebre...
O beijo era quente, dolorido ,demorado,mordiscado...
A língua fazia uma exploração por cada dobrinha de suas partes intimas...
Sentindo o gosto doce amargo da excitação ...
Juliana passou a mão lentamente pela curva do seio esquerdo e depois o direito...
Saboreando o céu da boca com a ponta da língua..
Deslizou às mãos pelo seu ventre em movimentos lentos torturantes...
Seguindo a direção do desejo, do prazer, do órgão convulso,sedento de Sabrina...
Os seus dedos eram sugados pouco a pouco...
O desejo pulsava cada vez mais forte, um córrego se formava entre as pernas....
Sabrina deixou escapar um grito,quando Juliana  lhe apertou a ponta dos seios endurecidos...
A pulsação dela era cresce entre as coxas,inchando-a,umedecendo-a , a parte intima de sua feminilidade...
Juliana beijou-a luxuriosamente a pontinha dura ,quente,pulsante,enquanto com dedos hábeis adentrava as entranhas quentes de Sabrina...
Que se mexia dando ,lhe entregando ,a sensação dela apertando-a,preenchendo-a ,possuindo-a...
Com movimentos vagarosos ,a boca sugando,os dedos entrando,saindo,num vai e vem de satisfação plena...
Sabrina gemia,sussurrava,se contorcia,agarrando –se a Juliana com força pelos cabelos,puxando-a para dentro de sua umidade quente em suplica...lançando-se de encontro dos lábios ,aos dedos com o seu quadril em um ritmo descontrolado pela ânsia do desejo...
Um grito!E a boca se enche com a labareda do pecado e seus dedos são estrangulados pelo pulsar..
Os olhos de Juliana a sensação do mistério desvendado...
Nos olhos de Sabrina apenas o reflexo do prazer satisfeito...
Ficaram ali imóveis ,unidas ,entrelaçadas como um só ser em quanto à chama da lareira se extinguia lhe cobrindo com o manto negro da madrugada fria.


terça-feira, maio 14, 2013

Estrela Do Mar...




                                            Artista: Maurizio Barraco

           O polvo ficou  atrás dela e colocou  os tentáculos sobre seus ombros, enquanto com um tentáculo  acariciava sua nuca. Era difícil falar pois a Estrela do mar estava com a garganta seca, mas o polvo dizia qualquer coisa em seu ouvido e ela , trêmula. Estrela do mar apenas murmurou um "som"  inaudível. O polvo com um de   seus tentáculos  desceu lentamente até próximo ao decote da camisa e suavemente , deixou escorregar para dentro .
         Apalpando com carinho seu seio esquerdo, em torno dele,seus tentáculos pressionavam suavemente o bico ereto. Nada poderia ser mais excitante do que o silêncio cúmplice dela.          De pé  encostou o seu sexo roçando suas costas. Enfiou novamente ao tentáculos sob o decote e voltou a acariciar seu seio esquerdo.  Estrela do mar respirava fundo, suspirava a cada movimento dos tentáculos. Abriu com um dos tentáculos os botões de sua camisa para melhor acesso..O polvo fez com que a alça da camisa escorregasse até que o seio que  acariciava aparecesse. Então debruçou se e colocou a boca sobre ele, chupando com carinho,passando a língua, dando lhe mordiscada leve e às vezes forte naquela pérola. Os tentáculos agora passeavam por todo seu corpo, sem que ela reclamasse.   Apenas gemia com o movimento da  língua quente em torno do bico do seu seio. Colocou um tentáculo em seu joelho e foi subindo, lentamente trilhando caminhos . Ela fechou com força as pernas, mas prendeu os tentáculos. Continuou acariciando suas coxas e ela foi abrindo lentamente as pernas formando a posição de "ESTRELA DO MAR", até que os tentáculos  tocaram sua umidade, sentidos sob a calcinha. Um dos tentáculos subiu até o elástico da calcinha e num movimento rápido, deslizou com o tentáculo por dentro, buscando seu pontinho duro. Ela jogava a cabeça para trás, olhando para o teto e parecia estar completamente tonta. Não conseguia mais reagir,  tal era sua excitação. O polvo retirou os tentáculos, desencostando o sexo  de seu braço, onde estava se  roçando,  parou de sugar seu seio...
                Tão linda era a visão daquele corpo, em forma de Estrela do mar.
        Deu-lhe um beijo carinhoso. Passando a língua dezenas de vezes sobre e dentro do local onde a penetraria e enfiou seus tentáculos, com fúria, com suavidade, vigiando se a feria. Ela gemia e o polvo ia cada vez mais fundo mais forte...Saboreando o gosto de seu mel que escorria na  boca  do polvo enquanto a penetrava umas duas três vezes ela se contorcia se agarrando  , rebolando na língua... Em pouco tempo tinham três tentáculos dentro dela enquanto a língua circulava em torno de sua escuridão..forçando de leve a entrada com a língua...ela gemia ,descontrolada...o ritmo aumentando e aumentando...Os  movimentos de entrar e sair em seu corpo .A cada remetida ela ficava mais receptiva, mas quente, úmida, inchada e o polvo  sentia que o momento se aproximava a cada estocada em sua umidade...  Um grito  e seu corpo estremeciam nos  lábios  do polvo e escorria entre seus tentáculos, suas entranhas esmagavam os tentáculos ...O polvo retirou seus tentáculos de suas entranhas e a beijou compartilhando o sabor virginal de seu néctar adocicado.


segunda-feira, maio 13, 2013

Do outro lado da Tela...




                                                             Artista : Maurizio Baraco

Sentada em sua cadeira logo pela manhã enquanto preparava mas um de seus textos Ela foi chamada pela estrangeira..
Que logo falavam dos seus desejos ocultos...
O pensamento dela foi longe ao ler cada virgula e ponto  de sua  estrangeira...
E então....
Sentiu o seu braço ser percorrido pelas pontas macias de seu dedo...
Um gemido ,
Ela contorceu -se e passou largamente os dedos pelos seios,enquanto imaginava beijos ardentes....
Ela sentiu o arrepio do desejo...
Os seus dedos faziam  a mágica em seus seios ....
Apertando os mamilos entre os dedos,desejando a língua em seu sexo fervente...
Os dedos dela passeavam pelo pescoço  ....
O olhar fixou se na imagem da bela estrangeira na tela de seu computador  , olhar esse  de desejo, de ânsia, de luxuria, fervendo nas veias....
Ela deslizou até os seios durinhos , róseos e desejou a boca,imaginou ele sendo  mordido, lambido,  sugado....
Ela gemeu com o prazer que lhe dava aquela sensação .seus  lábios macios e molhados vitima de suas próprias investidas...
A umidade se formava entre suas pernas....
Ela  deslizou a mão pela coxa fazendo movimentos lentificados um deliciosa tortura ....
Seus  dedos imitavam a dança sexual de seu quadril  , intimamente mergulhando nas profundezas ferventes  ...
Ela  retirava os dedos inúmeras vezes  e os levava a boca sugando seus dedos e saboreando o gosto do seu pecado...
A sensação aumentava dentro dela ....
O coração dela  batia forte com o deslizar de seus dedos até ao ponto durinho, quente, molhado, pulsava ardentemente....
Ela  gritou quando adentrou novamente o seu vulcão em lavas doces.....
Entrando e saindo varias e varias vezes....às vezes forte com estocadas, às vezes lentamente sentindo a carne quente e úmida ..
Para sentir em seus dedos cada ponto de seu desejo....
Ela rebolava , dançava no ritmo de suas  arremetidas ....
Que penetrava cada vez mais fundo ...
Ela se penetrava imaginando  a ponta da língua da estrangeira passeando em seu  cume durinho, fazendo com que ela enfiasse cada vez mais os para dentro de suas pernas....
Ela  se contorcia , gemia, escorria, delirava....
Um gemido ,um estremecer e os dedos  dela eram estrangulados enquanto sua boca secava e um nó na garganta se formava..
Entregue em sua cadeira visualizou mais uma vez a estrangeira  e levantou.