terça-feira, maio 22, 2012

Alienação da Alma...

Então o meu corpo sucumbiu ... Aos desejos da carne em chamas... Ao frio que nessa noite inflama... Melodiosamente me seduz a luxuria.. A pele arde... O coração bombeia cada vez mais rápido... O cérebro esse já não pensa.... As sensações aumentam a cada respiração... A voz se perde entre os lençóis... O ventre convulsiona em febre visceral.... Os lábios imploram por um único beijo... O beijo da morte... A sucção para o deleite final.... As mãos se procuram com fúria dos desesperados... A alma sangra em alienação... Enquanto o corpo se aquieta depois da vibração.

Um comentário:

  1. Re, poema com um misto de sensualidade e, pode-se dizer, desapego. Alguns dizem que sexo sem amor é deixar, como vc escreveu, "A alma sangra em alienação... Enquanto o corpo se aquieta depois da vibração." Faz sentido, se pensarmos que a história acaba quando termina o último suspiro de desejo carnal!!! Ótimo poema!!! Beijos, Ju :)

    ResponderExcluir

Diga se gostou, aguardo os comentários obrigada !!!