domingo, setembro 04, 2011

Grafite da vida...

Perceber com um pouquinho mais de clareza ,a realidade que se esconde por detrás do amor ...
Ainda assim ,prefiro acreditar no sopro...
Não quero promessas ..
Nem promissórias...
Pago à vista e deixo a vida me dar o troco..
Seja ele qual for,estaremos quites...
Não quero e nem posso acreditar no vento que apaga a chama, nem nos versos do Vinícius...
Penso que o lápis ao rabiscar o papel não pensa que um dia o grafite possa se apagar...
E vagarosamente, com a poeira da vida , perder a nitidez e ir sumindo...sumindo aos poucos, até se apagar..
Não ..
O lápis vai delineando e afirmando aquilo que quer dizer...
E se alguém não quiser perder o que está escrito,vai reacender,passar por cima,enquanto achar que valerá à pena...
O tempo, os acontecimentos e principalmente o vento e o sopro dependem da intensidade, do sentido e do modo como são soprados, e aí a chama e o grafite poderão se apagar ou não.

Um comentário:

  1. Re, achei lindo o poema e com conteúdo tão significativo que ultrapassa os limites do tempo presente, ou seja, poderia ser escrito ha séculos atrás ou, ainda, se alguém tiver a oportunidade de ler este poema daqui uns 100 anos, será como se voce o tivesse escrito daqui a 100 anos. Achei interessante as passagens: "Pago à vista e deixo a vida me dar o troco..
    Seja ele qual for,estaremos quites..." e "O tempo, os acontecimentos e principalmente o vento e o sopro dependem da intensidade, do sentido e do modo como são soprados". Penso que o equilibrio entre a intensidade e o direcionamento são as bases de qualquer relacionamento. Abraços Ju :)

    ResponderExcluir

Diga se gostou, aguardo os comentários obrigada !!!